Visualização de Dados e as Boas Práticas para Garantir Eficiência

ciclo de dados

As boas práticas de visualização de dados tornam possível compreender rapidamente as informações e agir no tempo exato, o que é imprescindível, já que atualmente os dados são produzidos numa velocidade extraordinária, dificultando o trabalho de analisar tudo e relatar os “achados” estratégicos no espaço de tempo necessário para gerar resultado.  

A análise visual ajuda os cientistas de dados e outros profissionais, mesmo que não sejam técnicos, a entender padrões, interligar fatores e montar histórias. Tudo isso em meio a uma montanha de dados gerados diariamente pela empresa. Desta forma, a análise de dados passa a ser feita visualmente por meio de painéis gráficos e interativos para acelerar a compreensão do panorama geral da empresa ou de um fator específico e estratégico para o negócio. 

Neste conteúdo, mostraremos as boas práticas que promovem a eficiência da análise visual de dados e são essenciais para a criação de visualizações informativas que fazem seu público agir.    

A Primeira das Boas Práticas de Visualização de Dados é Pensar no Seu Público 

Um painel informativo eficaz é aquele que as pessoas conseguem usar com facilidade para obter as respostas que procuram. Mesmo que os processos de visualização de dados contenham belos painéis, cheio de cores e informações, as ações de compartilhamento desses dados são inúteis se o público não conseguir usá-los para encontrar o que busca. 

Para que isso não aconteça, você precisa estar ciente do que quer dizer e para quem será dito. Seu público é especialista no tema ou o assunto é novo para ele? Caso seja novidade, quais dicas seu pessoal precisa para compreender facilmente o que está sendo transmitido? Pense nisso na hora de definir sua estratégia e garantir boas práticas de visualização de dados! 

 

É Fundamental que as Visualizações Tenham Contexto 

Para serem eficazes, as visualizações precisam de títulos, legendas, destaques e comentários para que o público entenda melhor o que está sendo disposto. Também é importante contar histórias com os dados, o que é conhecido como Storytelling. Assim, as apresentações vão muito além de um grupo de dados dispostos em um painel/apresentação. Veja abaixo algumas boas práticas de visualização de dados: 

  • Dê atenção à estética das visualizações e tenha em mente que o efetivo quase sempre é afetivo. Uma boa apresentação gera resposta emocional e interação genuína com seu público;
  • As exibições precisam ser coerentes e visualmente agradáveis, uma vez que elas te representam e evidenciam suas prioridades. O estilo de exibição e comunicação é muito importante;
  • Os painéis precisam ser atraentes para os usuários interagirem. Usar elementos interativos permite que o público trabalhe com as informações, levante questões e chegue a conclusões por conta própria. Este fator aumenta a credibilidade dos dados dispostos;
  • As exibições precisam ser vívidas, memoráveis e contextualizadas com uma estrutura lógica e sequencial. 

Leia também: “Ciclo de análise visual e como colocar em prática”. 

Escolha o Gráfico Correto Para Cada Exibição 

O tipo de gráfico varia de acordo com o que você está tentando responder ao público ou do tipo de informação específica a ser comunicada. Antes de inserir um gráfico em sua apresentação, é preciso questionar se o tipo escolhido é a melhor forma de transmitir a mensagem a ser compartilhada. E, ao mesmo tempo, se é a mais fácil de ser compreendida pelo público. Observe os tipos mais comuns de gráficos e quando usar cada um deles: 

  • Linha — exibir tendência em um determinado período; 
  • Barra — utilizada na comparação de dados entre diferentes categorias; 
  • Mapa de variações — mostrar a relação entre dois fatores; 
  • Tabela de destaque — detalha as informações contidas nos mapas de variações; 
  • Mapa de árvore — usado para dispor dados hierarquicamente na proporção de um todo; 
  • Marcador — destaca o desempenho de uma métrica em comparação a uma meta; 
  • Gráfico de dispersão — evidencia a relação entre diferentes variáveis; 
  • Histograma — explica a distribuição dos seus dados; 
  • Mapas de símbolos — mostrar os totais em vez de taxas; 
  • Mapas de áreas — usados para taxas em vez de totais utilizando geografia básica sensível; 
  • Caixas estreitas — distribuir um conjunto de dados específicos. Quando é necessário detectar padrões tendenciosos ou identificar exceções nos dados. 

Para boas práticas de visualização de dados, é importante manter na intranet um pequeno manual descrevendo a utilidade de cada gráfico, com exemplos visuais de cada um deles.  

 

Explore Bem as Cores, Mas Utilize com Cuidado 

As cores são uns dos recursos estéticos mais poderosos e faz parte das boas práticas de visualização de dados. Nossos olhos notam rapidamente mensagens destacadas por cor e o cérebro identifica instantaneamente o teor da mensagem de acordo com a cor de destaque aplicada. Utilizar as cores é crucial para montar histórias de dados que sejam impactantes e dar coerência a elas. Leve sempre em consideração as opções de cores, paletas, e a consistência delas nas visualizações.  

Também é importante seguir um padrão para que, com o tempo, os usuários consigam compreender ainda mais rapidamente as visualizações. Porém, evite abusar na quantidade ou intensidade das cores para não poluir o visual e a eficácia delas. 

Importância da Utilização de Painéis de Visualização Interativos

Um bom painel precisa de interatividade para que o público possa clicar e experimentar, ganhando conhecimento e confiança necessários para explorá-lo o quanto quiserem. Também é fundamental que as opções de interatividade sejam bem dispostasclaras e com legendas instrutivas que podem ser acessadas ao passar o mouse para obter mais informações. 

A interatividade pode ser adicionada ao painel com destaque e ações de destaque, introduzindo filtros, parâmetros, conjuntos e ações de conjuntos. Além disso, é sempre bom criar dicas de ferramentas e navegação fluida, que guie os usuários pela sua pasta de trabalho e os direcione para conteúdos adicionais.  

Outro ponto importante é pensar na acessibilidade do painel. Isso quer dizer que os painéis precisam ser acessíveis a todos os usuários, agilizando e facilitando a leitura. Essa acessibilidade inclui usuários que utilizam leitores de tela, navegação apenas por teclado, teclado em braile, versões com cores para daltônicos e o que mais for preciso para garantir o acesso e boa utilização para todos

Esperamos que você tenha gostado do conteúdo e lembramos que podemos entregar agilidade e eficácia, transformando seus dados em inteligência para os negócios. Tudo isso, sem deixar de lado as boas práticas de visualização de dados!

POR ISSO, CONTE COM O SERVIÇO DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS DA TENBU! 

Compartilhar conteúdo

jornada Data Driven

Business Analytics

Tenbu Self Services Analytics

Data Storytelling

Ciência de Dados

Modelos de Machine Learning

Machine Learning para Supply Chain

jornada Cloud Computing

Azure

AWS

IBM

Indústria inteligente

Eficiência Energética

Redução de falhas

Manutenção Preditiva

IoT

Governança de dados e LGPD

LGPD OneTrust

Visão Integrada de Produtos e Clientes