Desvendando as barreiras dos dados

 

A forma de entender mercados e empresas vem mudando de maneira exponencial. Os inúmeros avanços em Inteligência Artificial e uso de dados não estruturados mostram tendências promissoras, e sem previsão de término. O uso de Big Data vem sendo cada vez mais aprimorado e efetivo na criação de estratégias eficientes, porém, o poder desta análise ainda não é usufruído integralmente devido a complexidades práticas, muitas vezes não aferidas na teoria.

Sendo uma tecnologia emergente, é compreensível que seu entendimento seja um pouco mais complexo. Toda empresa que analisa a possibilidade de implantação de Big Data se mostra exaltada pelo potencial analítico das informações e sua rentabilidade quando atribuídos aos negócios. Entretanto, os líderes muitas vezes não conseguem enxergar a clareza da função, decaindo nas possibilidades e perdendo pontos importantes diante da concorrência.

Os custos para o uso de dados devem ser olhados como investimentos estratégicos para melhoria das ações corporativas. É necessário formatação intensa de históricos inutilizados e alinhamento aos novos, para que possibilitem a criação de escopos estratégicos eficientes.

Cerca de 80% de toda a ação voltada ao Big Data é gasta na descoberta, preparação e conversão dos dados em informações. A função implica na utilização de softwares compatíveis para o devido tratamento e sua garantia de usabilidade estratégica. Essa proporção de trabalho tende a se manter por algum tempo, porém, é analisado que os 80% empregados no tratamento de dados podem falhar em decorrência de Data Silos, que funcionam como ilhas isoladas de dados onde as informações não conseguem ser extraídas para uso, inabilitando todo o projeto. Data Silos podem ocorrer por algumas razões:

 

Estrutura

Os softwares das aplicações não podem trabalhar de maneira separada para um grupo ou departamento em particular. As ações devem ser otimizadas em conjunto a vários departamentos, para melhor aproveitamento estratégico. Desta maneira, a tendência natural é desestimular ações equivocadas e singulares. É necessário também unificar as diversas lideranças e momentos da empresa, uniformizando as ações.

 

Sentimento de Propriedade

Dados não são neutros e devem ser interpretados com conhecimento histórico centrado em cada realidade, avaliando o contexto e ambientes empregados. Os departamentos precisam entender que a troca de informações através de dados é necessária para o crescimento amplo, e o senso de propriedade dessas informações pode agir contra os interesses da organização como um todo.

 

Falta de conexão entre a tecnologia e a empresa

Os fornecedores de software para utilização de Big Data são os primeiros a entenderem o poder dos dados, porém, suas estratégias costumam ser pautadas nas especificações de seus produtos e continuidade da plataforma, não na realidade de cada negócio. Essa situação é particularmente perigosa, pois pode afastar a tecnologia adquirida da realidade da empresa.

Para alcançar altos patamares e explorar o potencial das informações descobertas através da análise de Big data, é preciso entender e estudar o impacto causado por Data Silos nos negócios, de modo a trabalhar na eliminação progressiva dessas barreiras. O objetivo em adotar como estratégia o uso de dados avançados, deve ser sempre o de orientar a empresa a partir de novas informações descobertas, para que não ocorram duvidas ou suposições em estratégias adotadas.

Infelizmente, construir a estrutura de Big Data do zero é uma situação que pouca ou nenhuma empresa consegue realizar; é importante então alinhar e construir uma arquitetura eficiente de dados que permita uma coleta limpa com desobstrução dos erros para sua formatação.

Esse processo não é simples e a atividade não consiste apenas em armazenar dados desorganizados em um sistema para obter respostas milagrosas através de softwares avançados. Entender que cada empresa é única e que a vantagem através de seu uso está no tratamento seguido de análises corretas, é o entendimento necessário que possibilita a prática de Big Data.

É imprescindível a organização, investimento e acompanhamento recorrente durante todo o processo. Essa atenção é importante para que a perspectiva de novos ganhos não se corrompa em um amontoado de informações inconsistentes ou conflitantes, podendo atrasar os objetivos da empresa. Sua função efetiva é de elaborar possibilidades que extraiam o máximo valor de cada ação.

Antes de qualquer medida, preocupe-se em identificar as necessidades do negócio, seus problemas prioritários a serem resolvidos e benefícios realmente tangíveis. Avalie os dados de toda a organização e invista nesses casos primeiro; esta é uma maneira coesa de identificar oportunidades e impulsionar os investimentos subsequentes, alinhando integração a cada ação, resultando na obtenção de valor antecipado. Portanto, mova-se primeiro com a integração no foco principal. Cada passo deve contribuir para uma plataforma integrada para uso claro dos dados corporativos, de maneira a não recriar blocos de silos difusos.

Para um resultado próspero, apenas o suporte de alto nível pode assessorar assertivamente todo o projeto, visto que o progresso no uso de Big Data não é um mecanismo estático, necessitando de ajustes, modernizações em seu ecossistema e mudanças organizacionais para alavancar os resultados.

Na economia digitalizada de hoje, a capacidade de usar dados representa vantagem competitiva real. O alcance da maturidade Data Driven implica em um trabalho legítimo a ser feito na formatação dos dados que a empresa já possui, sendo um objetivo estratégico que engloba todos os departamentos, e quando abordado adequadamente, levará ao desenvolvimento experiente e uma infraestrutura de dados que desbloqueia próximos passos a cada avanço.

Se fosse fácil, não seria rentável. Assim como 80% do trabalho em qualquer análise de dados é referente à preparação de dados, espere que 80% do esforço prático seja orientado por estes dados, de modo a integrar as informações e disponibilizá-las no atendimento das necessidades da empresa.

COMPARTILHAR

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

jornada Data Driven

Business Analytics

Tenbu Self Services Analytics

Data Storytelling

Ciência de Dados

Modelos de Machine Learning

Machine Learning para Supply Chain

jornada Cloud Computing

Azure

AWS

IBM

Indústria inteligente

Eficiência Energética

Redução de falhas

Manutenção Preditiva

IoT

Governança de dados e LGPD

LGPD OneTrust

Visão Integrada de Produtos e Clientes