Funções do Encarregado da Proteção de Dados na LGPD

encarregado-de-dados

Nomear um encarregado da proteção de dados é parte crucial para estar em conformidade com a LGPD. Este profissional, também conhecido como DPO (Data Protection Officer), atua como ponte de comunicação entre os agentes de tratamento, titular dos dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, a ANPD. Essa função é exercida por uma pessoa, física ou jurídica, indicada pelo controlador em conjunto com o operador, para mediar as relações mencionadas acima. 

Ainda com relação ao encarregado da proteção de dados, a LGPD estabelece que este profissional tenha sua identidade e informações de contato públicasdivulgadas e evidenciadas para simplificar o acesso dos titulares e suas solicitações.  

Além de ser um profissional indispensável para estar em compliance, é fundamental para a estrutura interna de governança de dados na proteção e controle das informações. Por estes motivos, neste conteúdo detalharemos as rotinas do encarregado da proteção de dados e suas atribuições.  

Antes de começar a leitura, sugerimos que confira os princípios básicos da LGPD para se familiarizar com os termos e entender os personagens envolvidos na obtenção de conformidade. 

É Obrigatório Ter um Encarregado da Proteção de Dados? 

De acordo com a LGPD, todas as empresas que tratam dados pessoais necessitam de um encarregado da proteção de dados, o DPO. O Encarregado da proteção de dados serve como um ponto de convergência entre empresa, controlador e operador, para supervisionar a proteção de dados e gerenciar as rotinas envolvidas para os proteger. 

A lei estabelece que é requerido um especialista em Data Security para se responsabilizar pelo monitoramento do tratamento de dados para garantir a proteção das informações dos titulares desses dados. A LGPD deixa clara a obrigatoriedade de um DPO para todas as organizações que processam mais de 5 mil registros por ano. 

Veja o que é descrito no Art.37, especificamente em relação à quais organizações têm a obrigatoriedade de contar com um DPO: 

  • Entidades públicas (exceto Tribunais); 
  • Empresas que processam dados em larga escala; 
  • Empresas que tratam dados criminais. 

É um profissional indispensável tanto para os tratadores quanto para os titulares, podendo ser membro da organização controladora ou operadora dos dados, pessoa física ou jurídica.  

Quais Funções a LGPD Estabelece Para o DPO? 

Como dito no tópico anterior, toda empresa que processa mais de 5 mil registros no período de 12 meses deve, obrigatoriamente, operar sob o monitoramento do encarregado da proteção de dados. 

Durante suas rotinas, o DPO deve realizar uma série de funções para garantir a proteção das informações dos titulares de dados. Confira quais são as principais: 

  • Divulgar publicamente, com clareza e objetividade, preferencialmente no website do controlador, sua identidade pública, informações e meios de contato; 
  • Aceitar reclamações e comunicações dos titulares, prestar esclarecimentos e adotar providências necessárias para solucionar o que for requerido; 
  • Receber comunicações da autoridade nacional, identificar o que é preciso entrar em conformidade com a lei e adotar providências; 
  • Direcionar os colaboradores e os contratados da entidade a respeito das práticas necessárias para promover a proteção de dados pessoais de acordo com o que é estabelecido pela LGPD;  
  • Executar as demais atribuições determinadas pelo controlador ou estabelecidas em normas complementares. 

A Importância da Governança de Dados Para se Adequar à LGPD 

Diariamente, as empresas tratam um volume enorme de dados de diversas origens. São tantas as informações que, para transformá-las em diferencial competitivo e assegurar que são tratadas dentro das normas da LGPD, é preciso de estratégias, ferramentas e métodos que vão além das planilhas tradicionais. 

Com a governança de dados é possível, de maneira eficiente, a coleta, armazenamento e tratamento de informações de maneira estratégica e dentro do que é estabelecido pela LGPD. Assim, é possível tirar proveito de todos os dados que circulam na empresa e usá-los como diretrizes para a tomada de decisão. É uma divisão, interna ou externa à sua empresa, responsável exclusivamente por cuidar de seus dados e gerenciá-los, tornando possível que sejam recolhidos, guardados com segurança, tratados corretamente e armazenados de maneira a permitir uma localização fácil. 

Aqui na Tenbu, temos um time de especialistas em governança de dados, preparados para fazê-la parte da realidade da sua empresa e torná-la um meio estratégico e ágil no que diz respeito à utilização inteligente dos dados e compliance. 

Fale já com um de nossos especialistas e use os dados de forma inteligente no seu negócio!

Compartilhar conteúdo

jornada Data Driven

Business Analytics

Tenbu Self Services Analytics

Data Storytelling

Ciência de Dados

Modelos de Machine Learning

Machine Learning para Supply Chain

jornada Cloud Computing

Azure

AWS

IBM

Indústria inteligente

Eficiência Energética

Redução de falhas

Manutenção Preditiva

IoT

Governança de dados e LGPD

LGPD OneTrust

Visão Integrada de Produtos e Clientes